O que a SBP orienta sobre as assaduras causadas pelas fraldas?


De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, o ambiente oclusivo da área de fralda favorece à interação complexa de fatores potencialmente prejudiciais à pele. Hidratação excessiva, atrito, exposição frequente e prolongada à urina e fezes, aumento do pH e alterações no microbioma são condições que violam a integridade cutânea, favorecendo o surgimento de lesões nesta região.


Dessa forma, para evitar assaduras, prevenção é a palavra chave! A troca frequente das fraldas, a limpeza suave, a exposição da pele ao ar e a aplicação de cremes de barreira são medidas que devem ser adotadas, na tentativa de reduzir o dano à pele. A limpeza suave da região das fraldas com água e algodão geralmente é suficiente. Na presença de fezes, um sabonete líquido infantil facilita a higiene adequada.


Então, devo usar pomada em toda troca de fralda? A Sociedade Brasileira de Pediatria responde: "o produto de barreira ideal deve formar um filme semipermeável sobre a pele sã ou danificada, possibilitando sua autorregeneração, funcionar como um escudo físico entre a pele e os irritantes, não ser removido pelas fezes, permanecendo onde foi aplicado, e ser de fácil limpeza, com mínima fricção. Os cremes de barreira, à base de óxido de zinco ou petrolato, são exemplos desses produtos. Recomenda-se que seja aplicado após cada troca, em uma camada que cubra as áreas passíveis de lesão, não sendo necessária sua remoção completa nas trocas subsequentes, se não houver resíduos de fezes".

0 visualização0 comentário
Logo LM Branco.png